19 de julho de 2010

Sai um dicionário prá mesa do canto!

Se calhar isto já não é novidade para ninguém, mas eu acabei de descobrir que há por aí um movimento que quer incluir no dicionário de língua portuguesa a palavra Mudasti. Até têm uma petição online e tudo (no momento em que escrevo, tem 113 assinaturas - vá lá, os doidos ainda não são assim tantos).
Pelo que me lembro, isto foi um termo inventado por uma marca de refrigerantes para uma campanha publicitária. Evitavam dizer Iced Tea (a marca concorrente) e incentivavam à mudança. Pronto, percebe-se. Sinceramente, sempre achei a palavra perfeitamente idiota, mas pronto, é publicidade e de vez em quando aparecem uma coisas parvas. Tudo bem até aqui.
Só que agora, não contentes com a publicidade, que é paga, e talvez aproveitando a onda do novo acordo ortográfico, lembraram-se que afinal a palavra já é tão usada que até deve figurar no dicionário. Ora, é certo que eu já não pertenço à geração mais jovem, mas conheço alguns elementos e nunca, mas nunca em ocasião nenhuma, os ouvi usar tal palavra. De resto, o texto da petição reza o seguinte:

Somos o “Movimento Mudasti no Dicionário”.
Representamos todos os portugueses que desejam ver definido nos dicionários da Língua Portuguesa - começando por aquele compilado pela Academia de Ciências de Lisboa - o significado desta nova palavra já utilizada por grande parte dos cidadãos nacionais, independentemente da região de onde são naturais.
Defendemos que a palavra “MUDASTI” merece uma chamada no dicionário.
Trata-se, de facto, de uma palavra que se impôs no léxico da nova geração e cujo significado já está enraizado na cultura popular portuguesa.
Como novo termo do Português moderno, “MUDASTI” começou a ser utilizada em 2005, a partir de um repto publicitário que incitava todos os portugueses a mudar de iced tea (chá gelado).
Mas, rapidamente os portugueses se apoderaram da palavra, encontrando nela a definição ideal para incentivar a mudança de um modo geral. Uma palavra curta e facilmente mnemonizável, que se converteu num incentivo ao abandono de um passado pouco memorável e ao agarrar de um futuro digno dos sonhos de cada um.
Hoje, são imensas as palavras insignificantes com sentidos imperceptíveis como “opidano”, “ingresia” ou “exaurir” que se mantêm presentes nos dicionários da Língua Portuguesa.
Ao mesmo tempo, encontramos nos mesmos dicionários palavras que há muito gostaríamos de ter deixado de utilizar como “crise”, “imposto”, “desemprego” ou “pobreza”.
Se palavras como estas têm um espaço no dicionário, “MUDASTI” merece o seu lugar. 

Posto isto, só me resta acrescentar duas ou três coisinhas:

A primeira é que o dicionário da Academia de Ciência de Lisboa é uma bela mer... porcaria. Se nem "robalo" lá vem mencionado, havia de vir agora o mudasti! (Se não acreditam, vão lá ver.)
A segunda é que um dicionário não é um repositório de palavras agradáveis. Por muito que nos custe, a crise, o imposto, o desemprego, a pobreza, e eu acrescentaria a guerra, a fome, a miséria, a catástrofe, entre tantas outras, irão continuar a aparecer em todos os dicionários pelo simples motivo de serem palavras da língua portuguesa.
A terceira é que os dicionários existem também para ajudar a perceber essas palavras com sentidos imperceptíveis. 

Alguém devia informar disto os senhores da agência publicitária da Nestea - sim, porque esta ideia brilhante só pode ter saído da cabeça de um publicitário.

6 comentários:

Imperator disse...

se calhar sou eu que tenho umas manias estranhas e parvas, ou talvez por o meu nome ter as letrinhas todas e certinhas e não achar muita piada ao acordo ortográfico cá me vou mantendo a tentar escrever como tentaram ensinar.

hoje com esta coisa da internet, tudo é mote para se fazer uma petição, ou um grupo social.

para que serve? para nada, excepto fazer perder tempo aos que precisam dele e ocupar tempo aqueles que não sabem o que fazer dele.

claro que mais tarde ou mais cedo, esses que se lembraram de criar o movimento mudasti no dicionário, vão andar aí a gritar mudasti a primeiro ministro.

vivemos, e vamos continua a viver num mundo de ignorantes, com grande tendência para o analfabetismos voluntário.

e pronto desabafei

(peço desculpa pelo tamanho do desabafo)

Tulipa Negra disse...

Imperator, desabafa à vontade!

Aliás, concordo contigo: também me recuso a escrever segundo as novas regras (enquanto puder, porque em termos profissionais, mais cedo ou mais tarde vou ter de ceder) e acho que a ignorância, a parvoíce e a vontade de chamar a atenção cada vez mais se sobrepõem ao bom senso. Este é só mais um exemplo.

(Mas essa ideia do mudasti primeiro-ministro era capaz de não ser pior do que o actual...)

Beijinhos

Ulisses disse...

Ora bem, ...
Em primeiro lugar, estou-me completamente marimbando para o acordo ortográfico. Não quero saber dele, ouvir falar dele, e acho que em vez de devermos todos tentar convergir para algo que não entendemos muito bem o que é, deviamos antes valorizar as diferenças no Português falado nos diferentes cantos do mundo.

Em segundo lugar, acho perfeitamente idiotica a tentativa de inclusão de uma palavra como "mudasti" no dicionário da lingua Portuguesa. E se for conseguida, será bem a demonstração de que não merecemos o património linguistico que temos...

:)

Tulipa Negra disse...

Ulisses, quanto ao acordo, era fechar os tipos que se lembraram de o fazer num contentor no fundo do mar. (Hoje estou um bocadinho violenta...)

Quanto ao resto, acho que só a ideia já é inqualificável (podemos juntar os que tiveram esta ideia aos outros no contentor). Felizmente, penso que não terá sucesso - não é à força que se acrescentam palavras à língua.

Beijinhos

Vício disse...

não sei se está no dicionário ou não mas suspeito que não, apesar de ser um dos verbos mais usados. mais ainda que o MUDASTI e por isso para esses senhores da agência publicitária vou usa-lo no tempo imperativo na terceira pessoa do plural FODAM-SE!

ou melhor... o mesmo verbo na forma composta VÃO-SE FODER!

Tulipa Negra disse...

Vício, por incrível que te possa parecer, o verbo vem no dicionário, muito bem explicadinho e tudo. O que até é bom, no caso de eles não perceberem podem ir procurar o que significa...
Beijinhos