4 de outubro de 2010

Lembras-te?

- Cheira a chuva.
- Cheira a quê?
- A chuva.
- Mas a que cheira a chuva? A chuva é água, não tem cheiro...
- Não digas disparates! Claro que a chuva tem cheiro.
- Eu nunca senti o cheiro da chuva. Sinto o toque da chuva, as gotas a caírem-me na cabeça, e até já lhe senti o sabor, mas o cheiro nunca.
- O sabor da chuva?
- Sim. Quando chove, abro a boca e deito a língua de fora para apanhar as gotas que caem.
- E consegues apanhá-las?
- Claro que sim! Fecho os olhos, inclino a cabeça para trás, abro a boca e espero.
- Deves ficar com um ar de doida...
- E a mim que me importa? Sabe-me bem, sinto-me bem assim. Gosto do sabor da água fria da chuva. Mata-me a sede.
- Mata-te a sede? Mas não deves conseguir apanhar mais de umas poucas gotas...
- Não se trata de quantidade, mas de qualidade.
- Qualidade? Agora queres convencer-me de que a água da chuva é melhor do que a outra?
- Nada disso. Não sei se é melhor ou pior, nunca me informei sobre o assunto. Mas o prazer que sinto com aquela meia-dúzia de gotas de água é incomparável. Naquele instante, por uns segundos, sou novamente criança. Não tenho preocupações, nem obrigações, nem prisões... Sou feliz.
- E agora não és feliz?
- Sou, claro. Não tenho motivos para não ser. Mas não tanto como quando sinto o sabor da chuva.
- ...
- Não dizes nada?
- Não sei que te responda...
- É assim tão estranho gostar de beber a chuva?
- Não sei. Eu prefiro sentir-lhe o cheiro.
- E ele a dar-lhe... Qual cheiro?
- O cheiro da terra molhada pelas primeiras chuvas...
- Sabes que não passa do cheiro das bactérias em contacto com a água?
- Sei. Nem por isso deixa de ser bom. Mas não é só esse cheiro.
- Não é?
- Não. É o cheiro da renovação, é o cheiro do amor, é o cheiro da vida a recomeçar.
- Não quererás dizer a acabar?
- Claro que não! Com a chuva recomeça o ciclo da vida.
- Seja como for, agora não está a chover. Como podes dizer que cheira a chuva?
- Sinto o cheiro da chuva a chegar.
- Ah! Agora também és meteorologista?
- Não brinques, estou a falar a sério. Sinto no ar um aroma especial, que nem sei definir...
- Mas sabes que é aroma de chuva?
- Sei.
- Como podes ter a certeza?
- Porque é o cheiro que senti quando te beijei a primeira vez. Estava a chover, lembras-te?

O Cheiro da Chuva, Fábrica de Letras

20 comentários:

El Matador disse...

Gostei. Muito bem conseguido este diálogo.

João disse...

Muito bom! gostei muito!
eu, quando fui ter com ela, chovia tanto mas tanto!!:)

Pedrasnuas disse...

UMA ASSOCIAÇÃO DE IDEIAS...O CHEIRO DA CHUVA ...OU O CHEIRO DO BEIJO?

INTERESSANTE

CONCORDO É O CHEIRO DA RENOVAÇÃO, DO AMOR, DA VIDA...UM AROMA QUE NOS FAZ BEM

Tulipa Negra disse...

El Matador, obrigada. Normalmente os diálogos não me correm bem, mas acho que este até não ficou mal.


João, ainda bem que gostaste. Pelos vistos, recordou-te qualquer coisa boa... :)


Pedrasnuas, estes cheiros confundem-se na memória.
Beijinhos

Manuela disse...

Tulipa, adorei este teu post!
E sim, eu também consigo cheirar a chuva, antes de ela aparecer :)
Beijinhos

Tulipa Negra disse...

Manuela, obrigada. E é um cheiro tão bom...
Beijinhos

Vício disse...

associando os sentidos à chuva só faltou dizer que nesse dia a chuva lhes cantou uma melodia...

Tulipa Negra disse...

Vício, que bonita imagem. Nem parece teu... :)
Beijinhos

Vício disse...

ups... distraí-me com o cenário ;)

Denise disse...

Bonito e mágico =)
E fiquei cheia de saudade de estar em África, não ir às aulas e resolver ficar à chuva, sentido-lhe o cheiro e o gosto e chegando a casa com a farda encharcada e ter a minha mãe a não compreender como era tão bom!

Beijo*

Tulipa Negra disse...

Vício, admite: tu no fundo és um romântico!


Denise, obrigada. As mães nunca percebem nada...
Beijinhos

viajanteintemporal disse...

Belo, sem dúvida.
beijinhos

viajanteintemporal disse...

Belo, sem dúvida.
beijinhos

Tulipa Negra disse...

Viajanteintemporal, obrigada!
Beijinhos

Malena disse...

Adoro os cheiros que a chuva faz revelar! Da terra, das árvores, até do asfalto! :)

Tulipa Negra disse...

Malena, eu também. :)

luisa disse...

Animado e romântico. Quase apetece desatar a cantar "I'm singing in the rain..."

Tulipa Negra disse...

Luisa, sempre quis imitar essa cena, mas nunca tive coragem... :)
Beijinhos

Catsone disse...

Se a personagem nunca sentiu o cheiro da chuva é pq calha sempre quando está constipada, não? É sempre melhor que o gosto, não é?

Tulipa Negra disse...

Catsone, é bem possível. A época das chuvas é propícia a constipações, de facto. O cheiro é muito melhor do que o gosto, principalmente neste caso em que traz recordações boas.
Beijinhos