18 de outubro de 2010

Estrangeiro e estranho # 1

 You had me at "Hello".

Nada como começar pelo início. Uma das palavras mais úteis e das primeiras a aprender numa língua estrangeira é, claro está, a forma de cumprimento. Um "olá" ou "bom dia" bastam, em português. Mas nem sempre é assim.

Se forem ao Senegal não se admirem de ouvir um simples aa (Diola), mas na Rússia podem ser surpreendidos por um khaumykhyghyz (Bashkir). Já na Serra Leoa, podem pensar que finalmente encontraram o Wally quando ouvirem wali-wali, mas é apanas uma forma de cumprimento. E no Canadá não voltou a moda do iô-iô, que se saiba, mas é natural ser saudado com um yoyo (tribos Kwakiutl). Já no Sri Lanka a economia de palavras ditou que se use ayubowan para bom dia, boa tarde, boa noite e adeus. Nada que os italianos não façam também com ciao, que tanto significa olá como adeus. É tão simples. Para quê complicar?

Para começar, chega. E agora vou-me embora sem dizer a ninguém onde vou, como fazem os índigenas Wagiman da Austrália:
Allahaismarladik

Inspirado por The Meaning of Tingo and Other Extraordinary Words from Around the World, Adam Jacot de Boinod.
Expirado e respirado por Tulipa Negra.

12 comentários:

Ventania disse...

Tulipinha, este é mesmo o tipo de coisas que me faz vibrar. :) Ai, tenho tanta vontade de aprender russo, e devia era estar de volta do alemão...

Vício disse...

falando de Olá... pode ser um Magnum Branco! mas só depois da lingua de vaca :p

Tulipa Negra disse...

Ventania, eu também gosto especialmente deste tipo de coisas. O livro de que falo é muito engraçado, embora parta do ponto de vista de um anglófono, pelo que nem sempre as observações se aplicam ao português.
Alemão? Ai as dores de cabeça... Se bem que uma das minhas professoras dizia que o alemão só tem um problema: der, die oder das? :D

Tulipa Negra disse...

Vício, eu prefiro o de caramelo. Ou então um gelado do Santini. Ai que bem que ia agora... :)

Rafeiro Perfumado disse...

Se me dissessem aquilo na Rússia o mais certo era colocar os braços no ar e gritar "Não fui eu, não disparem!"

Tulipa Negra disse...

Rafeiro, para evitar essas situações é que eu decidi publicar estas coisas. Assim já podes ir à Rússia descansado. :)

João disse...

inglês, francês e alemão, esta última foi provavelmente a que mais gostei de aprender, apesar de mais difícil é verdade.

qt ao resto...deves ter a mania:P :)

qd estive na Hungria, passei um dia com uma família. era a filha que traduzia do inglês para a língua deles e da deles para o inglês, para eu perceber. a certa altura a mae fez-me um pedido invulgar: queria que lhe dissesse em português tudo o que a seguir dissesse em nglês. achei muito giro.

Salvador disse...

Bo tardi (boa tarde, em dialecto alentejano)

Texto muito bem expirado e respirado (também neste caso deveria existir uma única palavra), Túlipa... ))

Allahaismarladik tb para si...

Tulipa Negra disse...

João, eu só tenho um problema com o alemão, para além do género das palavras: o vocabulário!
Quanto ao resto, não tenho mania de nada, mas não tenho culpa de conhecer bem as línguas dos indígenas australianos ou dos índios do Canadá... (isso, ou ter copiado do livro que indiquei, talvez...) :D
E aprendeste alguma coisa em húngaro? Eu quando fui à Grécia aprendi 4 palavras essenciais: bom dia, boa tarde, por favor e obrigada.

Tulipa Negra disse...

Salvador, bem-vindo!
Obrigada, acho que vou mesmo continuar com o tema nas próximas semanas.
Beijinhos

Tulipa disse...

Eu acho esta tua ideia fantástica e inspiradora :)

Tulipa Negra disse...

Obrigada, Tulipa. E é para continuar!